Ondas de Calor e o Cuidado com a Água: Um Alerta para a Gestão dos Recursos Hídricos

Como as altas temperaturas afetam a água e o que você pode fazer para prevenção

No cenário global de mudanças climáticas, as altas temperaturas têm se tornado um tema recorrente e alarmante. Só no Rio de Janeiro, na segunda semana de novembro, houve sensação térmica de 60°C e especialistas afirmam que as ondas de calor devem aumentar ainda mais no mês de dezembro, em todo o Brasil. Esse efeito climático traz consigo não apenas desconforto para a população e desafio aos limites da resistência animal, mas também sérias consequências para os recursos hídricos do planeta.

Os impactos das ondas de calor na água são diversos. A elevação das temperaturas contribui para a intensificação da evaporação, resultando na diminuição das reservas de água em rios, lagos e reservatórios. Além disso, a escassez de chuvas em muitas áreas durante períodos de calor extremo agrava ainda mais a situação, levando a secas prolongadas e até incêndios. 

A gestão sustentável dos recursos hídricos torna-se então, uma prioridade. A agricultura, que já é uma grande consumidora de água, enfrenta desafios adicionais com a diminuição da disponibilidade de recursos hídricos. Os setores industrial e doméstico também sentem os impactos, levando a restrições no abastecimento de água e aumentando a pressão sobre os sistemas de tratamento.

Em muitas regiões, a adaptação a essas mudanças climáticas exige não apenas a implementação de medidas de conservação da água, mas também investimentos em infraestrutura para armazenamento e distribuição eficiente. Tecnologias de reuso de água e métodos agrícolas mais eficientes são fundamentais para enfrentar os desafios impostos pelas ondas de calor.

A preservação da água não é apenas responsabilidade dos governantes, qualquer pessoa pode e deve ter essa responsabilidade ambiental com pequenas atitudes do dia a dia. Para os habitantes de grandes centros urbanos, onde o consumo de água é tipicamente elevado, algumas atitudes que auxiliam na preservação são: reduzir o tempo no banho, consertar vazamentos rapidamente, utilizar máquinas de lavar louça e roupas apenas com cargas completas e recolher água da chuva para atividades não potáveis são medidas eficazes. 

Para aqueles que residem em áreas rurais próximas aos rios, a gestão cuidadosa dos recursos hídricos é igualmente crucial. Agricultores podem implementar práticas de irrigação eficientes, como gotejamento, para otimizar o uso da água. A diversificação de culturas mais adaptadas às condições locais também pode reduzir a pressão sobre os recursos hídricos durante períodos de calor extremo. Além disso, a preservação das áreas ripárias, que são vitais para a qualidade da água e a manutenção dos ecossistemas ribeirinhos. 

O Programa Pró-Mananciais investe em soluções baseadas na natureza (SbN) que são capazes de aumentar a quantidade de água, por meio de sua infiltração mais rápida no solo. São exemplos dessas SbN, o plantio de árvores às margens dos cursos d’água e as bacias de contenção de água de chuva (barraginhas) que captam essas águas e ajudam a recarregar os lençóis freáticos.

Barraginha construída na beira de estrada rural para contenção de águas de chuva pelo Pró-Mananciais em Felixlândia-MG
Detalhe de barraginha após chuva, no município de Lagamar-MG construída por meio do Pró-Mananciais

Além dessas ações, o Pró-Mananciais também auxilia na conscientização por meio de processos de educomunicação que geram campanhas sociais para incentivar a população a adotar hábitos mais responsáveis, contribuindo para a preservação dos recursos hídricos em momentos críticos. Seja para educar as comunidades urbanas e/ou rurais sobre a importância de práticas sustentáveis para uma coexistência harmoniosa com as fontes de água, garantindo o equilíbrio entre as necessidades humanas e a preservação ambiental.

Compartilhe este post